Pesquisar este blog

sábado, 16 de janeiro de 2010

Meninas


Menina magra de olhos fundos
Sem sol,sem fé, sem futuro
De seios e nádegas e asco e cheiro vagabundo
Menina de um vazio profundo...

Um oco no ego e no estômago
Alimentando a luxúria esdrúxula
Menina sem fada,nem estórias, nem bruxa:

Só monstros e prisões banhadas
Do choro infantil que já nem sai

Só um dia a mais de sobrevivência
Da vida que de vida não possui nada

É século vinte!
Salvem as meninas exploradas...
Edilene Santos (Caçando estrelas-2001)

2 comentários:

  1. é a triste realidade de um pais feito as preças fingindo ser organizado que beleza olha so brasilia no formato de um avião eles esqueceram que brasilia veio depois de tudo
    belo poema beijos

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, bela poesia e belo blog.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir